domingo, 5 de abril de 2009

Síntese do Livro O Cortiço de Aluísio de Azevedo

João Romão, Português, branco e ambicioso, ajuntando dinheiro a poder de penosos sacrifícios, compra pequeno estabelecimento comercial no subúrbio da cidade do Rio de Janeiro. Ao lado morava uma preta, escrava fugida, trabalhadeira que possuía uma quitanda e umas economias. Os dois amasiam-se, passando a escrava a trabalhar como burro de carga para João Romão. Com o dinheiro de Bertoleza (assim se chamava a ex-escrava), o português comprou algumas braças de terra e alarga sua propriedade. Para agradar a Bertoleza forja uma falsa carta de alforria. Com decorrer do tempo João Romão compra mais terras e nelas constrói três casinhas que imediatamente aluga. O negocio da certo e novos cubículos se vão amontoando na propriedade do português. A procura de propriedade é enorme, e João Romão ganancioso, acaba construindo vastos e movimentado cortiço. Ao lado vem morar outro português, mas de classe elevada, com certos ares de pessoa importante, o Senhor Miranda, cuja mulher leva vida irregular. Miranda não se dá com João Romão, nem vê com bons olhos o cortiço perto de sua casa. No cortiço moram os mais variados tipos: brancos, pretos, mulatos, lavadeiras, malandros, assassinos, vadios, benzedeiras etc. Entre outros: a machona, lavanderia gritalhona, cujos os filhos não se pareciam uns com os outros, Alexandre, mulato, pernóstico; Pombinha, moça franzina que se desencaminha por influenciadas más companhia; Rita Baiana, mulata faceira que andava amigada na ocasião com Firmo, malandro valentão; Jerônimo e sua mulher, e outros mais. João Romão tem agora pedreira que lhe dá muito dinheiro. No cortiço há festas com certa freqüência, destacando-se nelas Rita Baiana como dançarina provocante e sensual, o que faz Jerônimo perder a cabeça. Enciumado, Firmo acaba brigando com Jerônimo e, hábil na capoeira, abre a barriga do rival com navalha e foge. Naquela mesma rua, outro cortiço se forma. Os moradores do cortiço de João Romão chamam de Cabeça de Gato, como revide, recebem o apelido de Carapicus. Firmo passara a morar no Cabeça de Gato, onde se torna chefe dos malandros. Jerônimo, que havia sido internado em um hospital após a briga com Firmo, arma emboscada traiçoeira para o malandro e o mata a pauladas, fugindo em seguida com Rita Baiana, abandonando a mulher. Querendo vingar a morte de Firmo, os moradores do Cabeça de Gato travam seria briga com os Carapicus. Um incêndio, porem, em vários barracos do cortiço de João Romão põe fim á briga coletiva. O português, agora endinheirado, reconstrói o cortiço, dando-lhe nova feição e pretende realizar um objetivo que há tempos vinha alimentando: casar-se com uma mulher de fina educação, legitimamente. Lança os olhos em Zulmira, filha do Miranda. Botelho, um velho parasita que reside com a família do Miranda e de grande influência junto deste, aplaina o caminho para João Romão, mediante o pagamento de vinte contos de réis. E em breve os dois patrícios, por interesse, se tornam amigos e o casamento é coisa certa. Só há uma dificuldade: Bertoleza. João Romão arranja um piano para livrar-se dela: manda um aviso aos antigos proprietários da escrava, denunciando-lhe o paradeiro. Pouco tempo depois, surge a policia na casa de João Romão para levar Bertoleza aos seus antigos senhores. A escrava compreende o destino que lhe estava reservado, suicida-se, cortando o ventre com a mesma faca com que estava limpando o peixe para a refeição de João Romão.

3 comentários:

  1. gostei da síntese...
    adota o contexto de ser uma síntese...

    ResponderExcluir
  2. tomara que quem escreveu a sintese saiba que uma sintese é o resumo que vem escrito atras do livro!!!

    ResponderExcluir